Resenha: Viva Para Contar - Lisa Gardner



Autor: Lisa Gardner
Editora: Novo Conceito
Páginas: 480
Lançamento: 2012
Em uma noite quente de verão, em um bairro de classe média de Boston, um crime inimaginável foi cometido: quatro membros da mesma família foram brutalmente assassinados. O pai — e possível suspeito — agora está internado na UTI de um hospital, entre a vida e a morte. Seria um caso de assassinato seguido por tentativa de suicídio? Ou algo pior? D. D. Warren, investigadora veterana do departamento de polícia, tem certeza de uma coisa: há mais elementos neste caso do que indica o exame preliminar.
Danielle Burton é uma sobrevivente, uma enfermeira dedicada cujo propósito na vida é ajudar crianças internadas na ala psiquiátrica de um hospital. Mas ela ainda é assombrada por uma tragédia familiar que destruiu sua vida no passado. Quase 25 anos depois do ocorrido, quando D. D. Warren e seu parceiro aparecem no hospital, Danielle imediatamente percebe: vai acontecer tudo de novo.
Victoria Oliver, uma dedicada mãe de família, tem dificuldades para lembrar exatamente o que é ter uma vida normal. Mas fará qualquer coisa para garantir que seu filho consiga ter uma infância tranquila. Ela o amará, independentemente do que aconteça. Irá protegê-lo e lhe dar carinho. Mesmo que a ameaça venha de dentro da sua própria casa.
Na obra de suspense mais emocionante de Lisa Gardner, autora best-seller do The New York Times, a vida dessa três mulheres se desdobra e se conecta de maneiras inesperadas. Pecados do passado são revelados e segredos assustadores mostram a força que os laços de família podem ter. Às vezes, os crimes mais devastadores são aqueles que acontecem mais perto de nós.

Esse é o primeiro livro que eu leio da autora, e achei fascinante! 

Na história temos três vidas relacionadas. A primeira delas é Danielle Burton, um enfermeira na ala de psiquiatria infantil em um hospital, ela guarda grandes segredos e quando criança viu o pai assassinar toda a família e logo após se suicidar. 

A segunda é Victoria, mãe solteira de Evan, um garoto de oito anos muito violento e que sofre de psicopatia. Por fim temos a detetive D.D.Warren, uma mulher solteira que ao logo do livro acaba arrumando um 'crush', que é chamada para investigar um caso de assassinato, onde o pai mata toda a família e tenta suicídio depois. 

Outros crimes vão acontecendo e as três acabam se cruzando de uma forma dramática. Em meio a tantos mistérios, a autora retrata a vida das crianças psscóticas e suas famílias, o que realmente surpreendeu.

A narração é muito boa, o livro todo passa em apenas quatro dias e é narrado de três pontos de vista diferentes, com alguns flashbacks no passado. 

Como é um suspense policial bem feito, o livro te prende até o final. Além de ser muito inteligente e nos apresentar uma realidade muitas vezes ignoradas na nossa sociedade.

Feminismo na Literatura


Olá leitores! Tudo joia?

Eu escolhi esse tema para o Papo Literário de hoje porque, no momento em que estamos vivendo, não somente no Brasil, mas em todo mundo, é muito importante reafirmar a igualdade de gênero e empoderar as mulheres.




E não seria diferente na literatura! Existem muitas autoras que apoiam a causa, mas a que eu trago hoje é a Virgínia Woolf.



As obras de Virginia Woolf tornaram-se clássicos do romance moderno. O romance A Senhora Dalloway (1925) revela o grande valor de sua ficção experimental. Trata-se de uma obra na qual se encadeia sem ordem cronológica uma série de impressões, estados de espírito e recordações momentâneas. Os temas centrais são a vida e a morte, a saúde mental e a doença. A autora formulou, em 1924, a sua opinião sobre qual deveria ser a função do escritor: "(...) é transmitir a essência sempre em mutação da mente, por maior que seja a complexidade ou o intrincado das suas manifestações, com o menor número possível de elementos estranhos ou alheios a ela". Em To the Lighthouse (1927), considerada pela crítica a sua obra-prima, Virginia Woolf renunciou a um enredo dominado pela idéia de causa e efeito, partindo do princípio de que na vida, como na arte, o sentido e a ordem só se tornam tangíveis em determinados momentos. A sua principal personagem literária, Orlando, protagonista do romance do mesmo título (1928), é uma personificação da poesia inglesa ao longo de três séculos. Personagem ora masculina, ora feminina, começa por ser uma jovem nobre na Corte da Rainha Isabel I, tornando-se depois uma cigana e, já no século2 0, uma escritora sensível e intelectual, inspirada na figura da autora Victoria Sackville-West, amiga pessoal de Virginia Woolf. Após presenciar o bombardeio de sua casa, receando enlouquecer, Woolf acabou por suicidar-se.


Baseado em palestras proferidas por Virginia Woolf nas faculdades de Newham e Girton em 1928, o ensaio Um teto todo seu é uma reflexão acerca das condições sociais da mulher e a sua influência na produção literária feminina. A escritora pontua em que medida a posição que a mulher ocupa na sociedade acarreta dificuldades para a expressão livre de seu pensamento, para que essa expressão seja transformada em uma escrita sem sujeição e, finalmente, para que essa escrita seja recebida com consideração, em vez da indiferença comumente reservada à escrita feminina na época. Imaginando, por exemplo, qual seria a trajetória da irmã de Shakespeare – caso o famoso escritor tivesse uma e ela fosse tão talentosa quanto o irmão –, Woolf descortina ao leitor um cenário em que as mulheres dispunham de menos recursos financeiros que os homens e reduzido prestígio intelectual. Será que à irmã de Shakespeare seria dada a mesma possibilidade de trabalhar com seu potencial criativo? Como o papel social destinado aos dois sexos interfere no desenvolvimento (ou na falta) de uma habilidade nata? Virginia mostra como, na época, a elaboração da competência de uma pessoa dependia de seu sexo, uma vez que a sociedade reservava aos homens e às mulheres papéis, atribuições e concessões bastante distintas. A maioria das mulheres não dispunha da liberdade e da privacidade necessárias para ter um lugar próprio para refletir e laborar na escrita. Daí a afirmação da escritora de que“uma mulher precisa ter dinheiro e um teto todo seu se quiser escrever ficção”. Uma mulher precisa ter condições financeiras e espaço para pôr-se a contemplar suas ideias e colocá-las no papel. Com a linguagem original e a fluidez de pensamentos que lhe são características, Woolf aponta neste ensaio um padrão duplo presente na sociedade, segundo o qual os homens eram estimulados a aprimorar suas habilidades criativas enquanto às mulheres era reservado um papel de sujeição.

Resenha: Convergente - Veronica Roth


Oi pessoas! Tudo joia?

A resenha de hoje é do último livro da trilogia "Divergente". Se você ainda não leu os dois primeiros pode encontrar spoilers por aqui!



Autor: Veronica Roth
Editora: Rocco
Páginas: 528
Lançamento: 2013
A sociedade baseada em facções, na qual Tris Prior acreditara um dia, desmoronou – destruída pela violência e por disputas de poder, marcada pela perda e pela traição. Em Convergente, o poderoso desfecho da trilogia de Veronica Roth iniciada com Divergente e Insurgente, a jovem será posta diante de novos desafios e mais uma vez obrigada a fazer escolhas que exigem coragem, fidelidade, sacrifício e amor. O livro, que chega ao Brasil no momento em que Divergente estreia nos cinemas, alcançou o primeiro lugar na lista de bestsellers do The New York Times.
Tris se vê presa dentro do grupo liderado por Evelyn, que não é muito melhor do grupo comandado por Jeanine na Erudição, em questões opressivas. Agora, estamos em um mundo onde facções não existem mais, porém as guerras ainda continuam. De um lado os pró-facção, que querem a volta desse sistema, de outro os sem-facção, que almejam algum lugar na sociedade. Além disso existem os "Leiais", um grupo que vai contra o atual governo e querem ir pro outro lado da cerca.

A novidade na narração, é que ela é bilateral, tanto Tris quanto Tobias narram a história. Os personagens estão mais maduros devidos aos fatos e mais racionais também.

E finalmente os segredos distópicos são revelados e conseguimos entender como o "mundo foi criado" e a história por traz das facções.

Agora que final foi aquele? Esperava um final surpreendente, e foi. Mas não da maneira como eu esperava. Queria, e acho q a maioria dos leitores da trilogia, um final épico. O que a autora fez, na minha opinião, foi decepcionante! Poderia ter sido bem mais desenvolvido e consequentemente melhor.

Mas, é claro, que esse final não desmerece a série inteira, que é muito, mas muito mesmo, boa.


E vocês, já leram? O que acharam? Deixe nos comentários!

Ler escutando música?


Olá gente linda! Tudo joia?

O papo literário de hoje é sobre a junção de duas paixões: Livros e Música. Mas ao mesmo tempo? 



Há pessoas que curtem uma musiquinha na hora da leitura, mas também há pessoas que odeiem. 

Isso, na verdade, é muito pessoal. Muita gente não consegue se concentrar na leitura se tiver algum som por perto, mas tem gente que consegue lidar e "preferenciar" uma ação em relação a outra. Como assim? 

Eu, por exemplo, quando vou ler e ao mesmo tempo escutar as minhas músicas, eu não presto atenção na letra da música em si, porque minha concentração está no livro, mas a batida não me incomoda em nada, pelo contrário, propicia um momento mais relaxante. É como se seu cérebro focasse em uma ação, mas não excluísse a outra completamente.

Claro que você não deve colocar uma música muito alta e hardcore, mas dar preferências por músicas que você goste bastante e mais "levinhas", uma coisa que eu gosto muito é sempre dar preferencias para músicas mais eletrônicas com pouca letra, se você não gosta de eletrônica uma boa opção são as músicas clássicas.


Mas e vocês, gostam ou não de ler escutando músicas? 

Resenha: O Código Da Vinci - Dan Brown



Autor: Dan Brown
Editora: Sextante
Páginas: 432
Lançamento: 2004
Um assassinato dentro do Museu do Louvre, em Paris, traz à tona uma sinistra conspiração para revelar um segredo que foi protegido por uma sociedade secreta desde os tempos de Jesus Cristo. A vítima é o respeitado curador do museu, Jacques Saunière, um dos líderes dessa antiga fraternidade, o Priorado de Sião, que já teve como membros Leonardo da Vinci, Victor Hugo e Isaac Newton. Momentos antes de morrer, Saunière consegue deixar uma mensagem cifrada na cena do crime que apenas sua neta, a criptógrafa francesa Sophie Neveu, e Robert Langdon, um famoso simbologista de Harvard, podem desvendar. Os dois transformam-se em suspeitos e em detetives enquanto percorrem as ruas de Paris e de Londres tentando decifrar um intricado quebra-cabeças que pode lhes revelar um segredo milenar que envolve a Igreja Católica.Apenas alguns passos à frente das autoridades e do perigoso assassino, Sophie e Robert vão à procura de pistas ocultas nas obras de Da Vinci e se debruçam sobre alguns dos maiores mistérios da cultura ocidental - da natureza do sorriso da Mona Lisa ao significado do Santo Graal. Mesclando com perfeição os ingredientes de uma envolvente história de suspense com informações sobre obras de arte, documentos e rituais secretos, Dan Brown consagrou-se como um dos autores mais brilhantes da atualidade. "O Código da Vinci" prende o leitor da primeira à última página.
Depois de ler 'Anjos e Demônios" e 'O Símbolo Perdido" do mesmo autor e também depois de assistir a sua adaptação, eu finalmente resolvi ler o livro. E não me arrependi, o filme é somente a ponta do iceberg, o livro é bem mais complexo (como quase sempre, né?!).

Bom, assim como nos dois livros que citei acima, 'O Código Da Vinci', segue a mesma receita: Robert Langdon, mistérios, suspense, história, arte, símbolos, antigas fraternidades e polêmicas. Tudo isso misturado à genialidade do autor.

Um assassinato é cometido dentro do Louvre na França, o curador do museu Jaques Saunière antes de morrer deixa uma mensagem para sua neta Sophie Neveu e o professor de simbologia Robert Langdon. Essa mensagem revela um misterioso segredo que envolve a família de Sophie e uma antiga fraternidade, relacionada com alguns artistas, como Leonardo Da Vinci, e o significado do Santo Graal. Além de desvendar esse mistério que Jaques escondia, eles ainda terão de lidar com a polícia que está atrás dos dois, suspeitos pela morte do curador.

A narração é fantástica, algumas pessoas reclamam porque existem muitos detalhes históricos a serem explicados, mas para mim a graça está aí, em você entender o que realmente aconteceu e porque teorias foram formadas a partir dali. Os capítulos são curtos e os acontecimentos narrados de forma rápida, o que envolve o leitor completamente, além de serem narrados de diferentes pontos de vista.

Eu adorei o livro, achei melhor do que 'O Símbolo Perdido', mas inferior á 'Anjos e Demônios'. Como a maioria já assistiu o filme, já devem ter a noção de como é a história, mas ler o livro nem se compara!

Quem lê por prazer é mais feliz!


Oioi pessoal! Tudo  bem?




O papo literário de hoje é sobre uma pesquisa que saiu recentemente no Reino Unido. 

Pois bem, que ler é prazeroso a gente já sabe há muito tempo, não é mesmo? Mas essa nossa constatação foi comprovada cientificamente! 

A pesquisa foi feita com 2 mil adultos e foi conduzido pelo programa Quick Reads juntamente com o Centro de Pesquisa de Leitura, Literatura e Sociedade, da Universidade de Liverpool.

Os participantes tiveram que responder perguntas sobre seus hábitos de leitura, como escolhem os livros e os efeitos que a leitura trazem na vida deles, além disso, disseram também qual personagem de ficção os inspirava.

O resultado foi esse do título do post. Segundo eles, quem ler regularmente desenvolvem melhor o autoconhecimento e autodesenvolvimento. 27% dos participantes disseram que a leitura os inspira a fazer mudanças na própria vida. Dentre as principais estão a procura de empregos gratificantes e o término de relacionamentos esgotados.

Gente, não tem como fugir. A leitura é simplesmente maravilhosa, em todos os sentidos!

Resenha: Ouro, Fogo & Megabytes - Felipe Castilho


Olá meus queridos leitores!

A resenha de hoje é de um queridinho nacional, porque quando se trara de mitologia, ainda mais brasileira, eu não me aguento!



Autor: Felipe Castilho
Editora: Gutenberg
Páginas: 288
Lançamento: 2012
Como esconder uma suspensão escolar dos pais, resgatar uma criatura mágica das garras de uma poderosa e mal-intencionada corporação e ainda por cima salvar o país de um desastre sem precedentes?Anderson Coelho, um garoto nada extraordinário de 12 anos, divide sua vida entre a pacata realidade escolar e uma gloriosa rotina virtual repleta de aventuras em Battle of Asgorath, jogo de RPG online em que jogadores do mundo todo vivem num universo medieval, cheio de fantasia. Lá, Anderson – ou Shadow, nome de seu avatar – tem vida de estrela: é o segundo colocado do ranking mundial. E são justamente suas habilidades que chamam a atenção de uma misteriosa organização, que o escolhe para comandar uma missão surpreendente junto com um grupo de ecoativistas nada convencionais.Ao embarcar para São Paulo, Anderson mergulhará de cabeça em uma aventura muito mais fantástica que as vividas em seu computador. Os encontros com hackers ambientalistas, ativistas com estranhos modos de agir e muitas criaturas folclóricas oferecerão a Anderson Coelho respostas não só sobre sua missão, mas também sobre sua própria vida, enquanto um novo mundo se descortina diante de seus olhos.

Como proceder com esse livro? Eu A-M-E-I.

Eu adoro livros que abordam mitologia, mas nunca tinha lido algum com a mitologia brasileira, o que me surpreendeu muito. 

O personagem principal é um garoto de 12 anos, Anderson Coelho. Ele joga um jogo de RPG chamado Battle of Esgaroth, lá ele é bem famosinho, só perde para o misterioso Esmagossauro.
Um belo dia comum, ele recebe um telefonema de um desconhecido que estava lhe oferecendo um emprego, ele, é claro, desconfiado, recusa.

Porém, durante a aula de educação física, quando pula o muro da escola para pegar a bola que tinha caído em um terreno ao lado, ele se depara com uma criatura muito estranha e quase se dá mal. Com isso, ele conseguiu três dias de suspensão, mas quando chega em casa pra dar a notícia aos pais, o mesmo homem que tinha ligado estava lá dentro conversando com eles e convencendo-os a deixar o filho ir para São paulo para a final da Copa de Matemática, que ele nunca tinha participado. Anderson vê ali uma oportunidade para não tocar no assunto da suspensão com os pais e acaba aceitando.

Chegando lá, ele descobre sobre a Organização, uma ONG que luta em prol da natureza, e é aí que sua missão começa. Ele tem que tentar impedir que uma empresa use, para meios lucrativos, uma poderosa força da natureza. É quando um novo mundo é apresentado a Anderson, um mundo onde as lendas folclóricas não são lendas. Lobisomens, boitatá, caipora, saci-pererê... E vários outros. Mas não se engane, vai muito além das lendas contadas no Sítio do Pica-Pau Amarelo!

Eu comprei esse livro na bienal aqui de BH, tive a oportunidade de conhecer o Felipe Castilho e ter meu livro autografado por ele. Lá ele me apresentou a história e eu fiquei encantada!

Superou todas as minhas expectativas e me prendeu do início ao fim. A narrativa é muito gostosa, os capítulos são pequenos, o que deixa a leitura bem rápida.

Além de tudo isso, o livro deixa a crítica para a preservação do meio ambiente, mostrando que hoje no mundo capitalista, a natureza foi deixada de lado e vêm sendo cada vez mais explorada.

Eu recomendo muito esse livro. Muito mesmo!



Sites confiáveis para comprar livros


Olá meus queridos, como vão?

Quero compartilhar com vocês alguns sites onde eu geralmente compro os meus livros. Eu gosto de comprar pela internet, porque é mais barato que em livrarias físicas. Nunca tive problemas com esses sites, sempre vieram bem embalados e em ótimo estado de conservação.

Submarino 




Fnac 

Existem vários outros que também são confiáveis, esses são os que eu já tenho experiência e que tem melhores promoções.

Tá sabendo de algum outro? Deixa aí nos comentários!

Resenha: Destinos Cruzados (Beijada Por Um Anjo #4) - Elizabeth Chandler


Olá leitores! 

A resenha de hoje é do quarto livro da série Beijada por um Anjo. Você pode conferir a resenha dos três primeiros livros aqui no blog!



Autor: Elizabeth Chandler
Editora: Novo Conceito
Páginas: 288
Lançamento: 2011
Um ano se passou desde que o namorado de Ivy, Tristan, morreu. De lá para cá, ambos seguiram em frente – Tristan para o outro lado da vida e Ivy para o doce e adorável Will. Agora, ela espera somente esquecer o horror do passado, deitar-se na praia com um copo de limonada e sair com seus amigos.Mas então, um acidente de carro põe fim à vida de Ivy.Enquanto ela flutua no além, se deparando com a vida que ela deixou para traz, Tristan a faz retornar a vida com um beijo apaixonado. Ivy acorda no hospital, cercada por Will e sua família, mas tudo o que ela consegue pensar é no amor que perdeu.Mas não são apenas as lembranças de Ivy que voltaram do passado. E dessa vez ela não tem certeza de que o amor possa salvá-la.

Nesse livro, a história acontece um ano após a morte de Tristan. Ivy e seu namorado Will, Beth e mais duas amigas estão de férias em uma pousada da tia de Beth em Cape Cood. Tudo ia andando super bem, até que Dhanya e Kelsey resolvem brincar com o tabuleiro Ouija, uma brincadeira que invoca espíritos. 

Logo após essa brincadeira estranha, Ivy e Beth sofrem um acidente de carro, e Ivy acaba morrendo. Nesse momento em que morre, ela encontra Tristan que lhe dá um beijo da vida, fazendo Ivy reviver.

Enquanto se recupera no hospital, ela conhece João, um menino bonito que sofreu um acidente e não se lembra nada da sua vida antiga. De cara rola uma atração entre os dois e logo vai aparecendo sinais que mostram que ele possa ser Tristan. Ao se aproximar de João, ela se afasta de Will e eles terminam o namoro. Dá uma dó dele!

Beth e Will tentam alertar Ivy para que ela tomasse cuidado com o João, porque ele podia ser um criminoso, ou até mesmo Gregory de volta para assombra-lá.

Será que João pode ser mesmo Tristan? Ou é Gregory de volta? O quarto volume da série gira em torno desse suspense!

Eu gostei muito desse livro, tanto quanto o terceiro, e estou muito ansiosa para terminar de ler o quinto! Depois venho contar pra você qual será o destino de Ivy e Tristan!


Resenha: A Escola do Bem e do Mal - Soman Chainani


Olá queridos! Como vão?

Hoje a resenha é de um livro que eu amei, A Escola do Bem e do Mal, de Soman Chainani.



Autor: Soman Chainani
Editora: Gutenberg
Páginas: 352
Lançamento: 2014
No povoado de Gavaldon, a cada quatro anos, dois adolescentes somem misteriosamente há mais de dois séculos. Os pais trancam e protegem seus filhos, apavorados com o possível sequestro, que acontece segundo uma antiga lenda: os jovens desaparecidos são levados para a Escola do Bem e do Mal, onde estudam para se tornar os heróis e os vilões das histórias.Sophie torce para ser uma das escolhidas e admitida na Escola do Bem. Com seu vestido cor-de-rosa e sapatos de cristal, ela sonha em se tornar uma princesa. Sua melhor amiga, Agatha, porém, não se conforma como uma cidade inteira pode acreditar em tanta baboseira. Ela é o oposto da amiga, que, mesmo assim, é a única que a entende. O destino, no entanto, prega uma peça nas duas, que iniciam uma aventura que dará pistas sobre quem elas realmente são.Este best-seller é o primeiro livro de uma trilogia que mostra uma jornada épica em um mundo novo e deslumbrante, no qual a única saída para fugir das lendas sobre contos de fadas e histórias encantadas é viver intensamente uma delas.

Sophie e Agatha são amigas, embora tenham personalidades muito diferentes uma da outra. Elas moram na vila Gavaldon, lá a cada quatro anos duas crianças são sequestradas por um sombra misteriosa, seus habitantes acreditam que a sombra seja o Diretor da Escola do Bem e do Mal, e que eles pegam uma criança boa e outra má, e que anos depois elas se tornam personagens de contos de fada.

Sophie não gosta da vida pacata e medíocre que vive na vila e faz de tudo para ser escolhida para a escola do bem e quer muito se tonar uma princesa. Agatha é a menina mais estranha e rabugenta da vila, ela mora em um cemitério e todos a chamam de bruxa. Ela não deseja ir pra escola, mas Sophie acredita que ela será escolhida para a escola do mal.

Então como previsto, elas são levadas para a escola. Chegando lá elas se separam, cada uma vai para uma escola: Agatha para a do bem e Sophie para a do mal. As duas percebem o equívoco e tentam de tudo para serem trocadas de escola. Mas parece que o Diretor nunca erra enquanto ao potencial de vilão e herói de seus alunos. Logo fica a grande questão, o belo nem sempre é bom e que o bem e o mal podem não ser coisas tão distintas assim.

As duas amigas se sentem totalmente deslocadas em suas escolas, e durante o livro novos personagens entram na história assim também como novos mistérios e conflitos. Qual será o final dessas duas amigas?

Eu gostei bastante do livro, ele traz uma releitura de contos de fadas e cria um universo por trás deles. Traz também lições de amizade, de caráter e confiança.

A narrativa é feita em terceira pessoa, o que deixou várias partes do livro arrastadas demais. Seria bem melhor se fosse em primeira pessoa, dos pontos de vista de Sophie e Agatha apenas. Esperava um final melhor também, mas...

Contudo, a história em si é muito criativa e em momentos você realmente se sente envolvido com ela. 

Recomento a leitura pra aqueles que gostam de releituras de contos de fadas e de narrativas mais detalhadas!

Como incentivar crianças a lerem?



Bom dia pessoal, tudo bem com vocês?




Primeiramente, quem aí de vocês costumavam ler quando crianças? Mas não vale os livros de escola, hein! Melhorando a pergunta: Quem quando criança pedia aos pais de presente um livro?


Coloco a minha mão no fogo que não vai aparecer quase ninguém. Isso porque são poucas as crianças que são estimuladas desde cedo ao hábito da leitura. Eu mesma comecei a gostar de ler na escola, e olha que isso também é raridade, porque lembro que meus colegas odiavam ter que ler os mesmos livros.


Então o que deve ser feito para que as crianças comecem a ter gosto pela leitura? Andei pesquisando algumas dicas que vou compartilhar com vocês.


Primeiro passo, a criança deve ter contato com os livros, e hoje isso é muito fácil. Várias editoras estão apostando em livros para o publico infantil, e são livros que interagem com a criança, cheio de desenhos e imagens, com musiquinha, com campainhas de som e etc (até eu fico com vontade de ler desse jeito, uai).


Segundo passo, os adultos devem ler para as crianças (no caso, antes da alfabetização e depois também), pois é dessa maneira que vai nascer o encantamento e a curiosidade pela leitura. Outra coisa importante, todo mundo sabe que as crianças se espelham muito nos pais, portanto se eles estão ali lendo e demonstrando interesse é bem provável que despertem esse mesmo desejo e interesse na criança.


Terceiro passo, depois que a criança já aprendeu a ler, o essencial é o incentivo. Passeios em bibliotecas, livrarias, eventos literários, incentivo também a troca de livros já lidos com outras crianças faz toda diferença.


Geralmente as crianças tomam antipatia pela leitura, porque a mesma lhe são apresentadas como obrigação. O que deve ser feito é promover o maior contato literário possível para que elas identifiquem qual estilo elas mais gostam e assim crescerem com esse hábito. Leitura é prazer, divertimento, hobbie e não obrigação!

Resenha: Perfume de Hotel: Chile - Carla Pachêco



Autor: Carla Pachêco
Editora: Viva
Páginas: 96
Lançamento: 2014
Quem não ama um bom perfume? O perfume imprime o resultado da combinação entre a essência e a nossa pele, e é isto que dá o toque final a cada fragrância, que deixa no ar uma memória sem par de nós, e desperta para cada um diferentes sensações. PERFUME DE HOTEL traz em suas notas as impressões únicas e o aroma de cada lugar na visão da autora, que traduz de maneira deliciosa, leve, bem humorada, e rica em detalhes, os prazeres e descobertas dessa magia que é viajar, para quem gosta de conforto e sofisticação, mas sabe desfrutar dos pequenos prazeres, aprecia os detalhes, e se entrega as emoções de viver e partilhar recordações. Você não vai resistir ao poder do perfume!
Depois de passar por Nova York (resenha aqui) e se encantar com seu perfume, nesse segundo livro a gente viaja junto com a Carla para o Chile, e tenho certeza que é impossível não se entusiasmar com todos os passeios e acontecimentos relatados por ela.

Engana-se quem pensa que Perfume de Hotel é somente um diário de viagem, pois ele vai muito além disso. Rico em detalhes intimistas é praticamente impossível não sentir todas as fragrâncias que uma viagem pode proporcionar.

Começamos o livro com uma citação (parte da crônica "A Morte Devagar" de Martha Medeiros) que ao meu ver não poderia se encaixar em nenhum lugar melhor. Abriu o livro com chave de ouro além de fazer você refletir sobre vários aspectos da vida. 

E ao longo do livro, são várias reflexões e mensagens lindas que só quem aprecia a vida e seus pequenos detalhes consegue entender (não disse que o livro vai além de relatos?).

Uma viagem emocionante de sete dias com um grupo de quatro casais pelas paisagens chilenas... Como não se encantar pelo aroma das flores e se deliciar com os pratos, com as danças, com a cultura e com toda vastidão da Cordilheira dos Andes? 

Uma das coisas que mais achei incrível foi a vontade incontrolável de tomar vinho toda vez que a Carla relatava os passeios pelas vinícolas e o aroma inebriante do vinho chileno (e detalhe, eu não gosto de vinho). Fui levada totalmente pelo poder do perfume... (e da narrativa também)!

Temos também um capítulo onde conhecemos mais sobre o poeta chileno Pablo Neruda, e a visita a Isla Negra, onde estão seus restos mortais, foi o lugar que eu mais gostei!

Enfim, Chile já se tornou um país que eu preciso conhecer algum dia! Quer prova maior do que esta pra reafirmar o encanto deste livro?

Ler nos torna mais felizes?


Olá gente linda, como vão vocês?

Bem, eu vou feliz, obrigada! Mas será que isso tem a ver com o fato de que leio bastante?

Você que lê, nem que seja um pouquinho, se sente mais feliz?



Que a leitura só traz benefícios, a gente já sabe né… Mas um estudo da Universidade de Roma III feito com 1100 pessoas comprova que nós leitores somos mais felizes, pois encaramos a vida de forma mais positiva e otimista.

Para chegar a essa conclusão, os pesquisadores usaram índices de medição de felicidade. Um deles enumera o grau de felicidade das pessoas entre 1 até 10. Os leitores obtiveram a pontuação de 7,44 e os não leitores 7,21 (para os pesquisadores essa diferença é significativa). Outro método usado na pesquisa foi a escala de Diener e Biswas, que vai de 6 até 30, com ela os pesquisadores concluíram que quem lê tem uma percepção maior de emoções como felicidade, e que quem não lê sente mais sensações de tristeza e fúria.

Esse não foi o primeiro estudo sobre o assunto, outros artigos publicados em revistas especializadas mostram resultados de ressonâncias magnéticas que revelam a alta conectividade no sulco central do cérebro e no córtex temporal esquerdo (pra aqueles que como eu passou raspando em biologia na escola: área associada á linguagem) enquanto estamos lendo um livro.

Segundo a equipe de neurocientistas da Universidade de Emort, Atlanta, quem lê reduz o nível de estresse, e também aumenta a inteligência emocional, o autoconhecimento e o cultivo da empatia.

“Ler os grandes autores faz de você uma pessoa mais bem preparada para tomar decisões criativas, interessantes e educadas”, diz Alan Brew, ex-editor do Financial Times.

Portanto é provado cientificamente que a leitura nos fazem pessoas mais felizes! Alguém ainda tem dúvidas de que ler é realmente maravilhoso?



Livro de Youtubers


Olá gente bonita! Tudo bem?

O Papo Literário de hoje é sobre os polêmicos livros de youtubers!



Não, eu nunca li nenhum livro de nenhum youtuber porque eu não gosto de livros estilo "biografias" que contam experiências pessoais da vida deles e etc, e também porque não sou fã de nenhum ao ponto de querer comprar o livro que ele lança. É claro que, caso algum lance um livro, que não seja sobre eles mesmo, mas sim sobre algum assunto ou história especifica, dependendo eu posso até me interessar.

Mas eu não entendo o porquê das pessoas polemizarem tanto o assunto. Todo mundo pode escrever um livro sobre qualquer assunto. Porque um youtuber fazer isso é errado? Só porque eles fazem, na maioria das vezes, mais pelo dinheiro do que pelo "prazer" de escrever? A literatura, além de ser uma arte, é um mercado e sim, as pessoas querem lucrar em cima dela. Tanto as editoras que sabem que livros de youtubers estão bombando em vendas como os próprios youtubers.

Se os livros que eles escrevem são bons ou não, eu já não sei. Mas como qualquer livro, haverá pessoas que gostem e outras que odeiem, isso é normal. Eu até entendo a possível indignação que alguns escritores possam ter, porque as vezes ele está lá batalhando, estudando e se especializando pra poder lançar livros de qualidade e que, as vezes, não vende um terço dos livros lançados por youtubers. 

Mas as pessoas têm que entender que eles não estão "roubando" o mercado ou o público pra eles. A maioria das pessoas que compram esse livros são fãs de tal youtuber, e as vezes nem gostam de ler, mas querem prestigia-lo de alguma forma. E se pessoas que antes não liam passam a ler, mesmo que livros que podem não ser classificados como de qualidade, isso significa que elas estão movimentando o mercado literário e isso é positivo porque o mercado brasileiro é desvalorizado (expliquei isso aqui).

Além disso elas podem até tomar gosto pela literatura e ir comprando outros livros, ninguém começa a gostar de ler pelos clássicos ou livros considerados de qualidade. Eu por exemplo, comecei a gostar de ler com Crepúsculo!

Então não vejo problema algum em livros sobre youtubers, escritos pelos próprios ou por ghost writers (o que é muito comum, já que escrever um livro, mesmo que sobre si mesmo, não é fácil). 

Vamos esquecer o preconceito literário... Não significa que leitores assíduos não possam ler esses livros ou que quem os lê são pessoas que não entendem de literatura. Livros são livros e ponto final. Se são bons ou ruins dependem de quem lê. Quem lê livro X não têm que obrigatoriamente odiar livro Y, chega de rótulos! 


Agora, quero saber a opinião de vocês, se comprariam ou não, se já leram e se gostaram ou não... Deixem nos comentários pra gente conversar!

Resenha: Almas Gêmeas (Beijada Por Um Anjo #3) - Elizabeth Chandler


Olá queridos!

Hoje a resenha é do terceiro livro da série Beijada por um Anjo! Vocês podem conferir a resenha dos dois primeiros aqui no blog! Se você não leu o segundo, encontrará alguns spoilers por aqui!


Autor: Elizabeth Chandler
Editora: Novo Conceito
Páginas: 262
Lançamento: 2010
Logo no início coisas muito terríveis acontecem com Ella (a gatinha de estimação de Ivy). O assassino de Tristan começa perseguir Ivy, que só assim volta a acreditar em anjos e passa a colaborar com ele para que possa salvar sua vida e ao mesmo tempo proteger também seu irmão. Em meio à vários acontecimentos ruins, Tristan se depara com um problema: se salvar Ivy isso significa que sua missão na terra está terminado?

Nas resenhas dos dois primeiros livros da série, eu falei pra vocês que não tinha gostado muito deles, mas que mesmo assim continuaria lendo, por causa da história que é bem envolvente.

Pois bem, esse livro foi o melhor da série até agora, uma grande surpresa! Vários aspectos foram melhorados como a narrativa da autora! 

Depois de quase morrer atropelada por um trem, Ivy está bem e de volta a escola. Ela não se lembra de nada daquela noite e todos acreditam que ela tentou se matar. Philip, seu irmão menor, afirma que ela foi salva por um anjo. Ela fica com um pouco de receio dessa história de anjos, mas acaba acreditando novamente, possibilitando que Tristan se comunique com ela.

E é ai, que eles começam a desconfiar de Gregory, filho do atual marido da mãe de Ivy, suspeitando que ele tenha participado do acidente, não tão acidental assim, que matou Tristan e também levado Ivy para a estação de trem. Juntos de seus amigos, eles tentam provar que Gregory é um assassino antes que seja tarde demais.

E se conseguirem, significará que a missão de Tristan se completaria, e portanto, ele iria embora, deixando Ivy para sempre. 

Então, não gostei do final. Mas aí é pessoal mesmo, tem a ver com o destino de Ivy e Tristan, e a minha projeção romântica que criei pra eles. E a história poderia ter se acabado ali, mas a autora resolveu ir em adiante com mais três livros. Ou seja, minha projeção ainda pode se realizar, vamos ver né...

O único ponto negativo foi em relação a diagramação, mais uma vez né! Muito ruinzinha... 

A história é regada de suspense, cheia de mistérios de tirar o fôlego e prende do início ao fim! Recomendo...

Autores que geralmente caem em Vestibulares


Olá meus queridos! Tudo bem com vocês?

O post de hoje é dedicado àqueles que como eu vão prestar vestibular esse ano, ou que pretendem prestar algum dia. Selecionei uma lista de autores que já caíram ou podem cair em vestibulares e no Enem.



 1) Carlos Drummond de Andrade

Segundo Filipe Couto, professor de literatura do pH e poeta, Drummond é o nome mais importante da poesia brasileira no século XX. "A variedade temática de sua obra, que abraça das inquietudes humanas ao nacionalismo crítico, e a habilidade no uso de diversas técnicas de estruturação do poema garantem a ele destaque em qualquer avaliação", diz ele.
2) Machado de Assis

Para Couto, Machado é o nosso mais importante escritor de prosa. "A linguagem sugestiva, com claro apelo à ironia, e as suas inovações técnicas e temáticas em relação às produções da época (final do século XIX) são itens sempre presentes em boas provas", explica o professor.
3) Clarice Lispector

Na opinião de Couto, Clarice é o próprio Modernismo na prosa: "Dona de uma técnica narrativa singular, o lirismo de suas construções e a profundidade dos seus personagens permitem que se avalie a capacidade de compreensão do candidato e sua maturidade para absorção de leituras mais sofisticadas".
4) Oswald de Andrade

Couto diz que talvez ele seja o mais radical dos escritores da primeira fase do movimento modernista (1922-1930). "É muito comum haver questões sobre as inovações promovidas em suas obras, além de comparações entre suas produções e outras, mais tradicionais", alerta o professor.
5) Cecília Meireles

Couto destaca a grandiosidade de sua obra mais típica, capaz de traduzir com singeleza as mais duras fragilidades da condição humana, numa linguagem musical. "É importante lembrar que ela também escreveu obras como 'Romanceiro da Inconfidência', em que um fato da História nacional permite grandes reflexões sobre nossa gente".

6) Rubem Braga

Segundo o professor de literatura, é o grande nome da crônica brasileira. "Seus textos abordam temas cotidianos sob uma perspectiva singular, numa linguagem ao mesmo tempo doce e impactante. Sua capacidade de fazer parecer simples algo tão complexo faz com que ele seja um dos autores mais cobrados em provas", diz Couto.

7) José de Alencar

De acordo com Couto, trata-se de um autor que buscou mostrar, numa perspectiva romântica (sentimental, idealizada), o Brasil para os brasileiros. "Seus romances constituem um grande painel da nossa variedade linguística, da nossa cultura popular, da nossa fauna, da nossa flora e dos nossos tipos humanos", explica o professor.
8) Graciliano Ramos

Principal nome do “Romance Social Nordestino”, foi o escritor do povo marginalizado pela seca e, principalmente, pelo sistema social, político e econômico vigente. "O alto grau de psicologismo da sua obra permite que nos identifiquemos com os dramas narrados e que tornemos universais questões regionais", explica Couto.
9) João Cabral de Melo Neto


Segundo Couto, é um autor peculiar da nossa literatura. "Utilizando procedimentos tradicionalistas na estruturação do poema, ele consegue trabalhar seus temas com abordagens inovadoras, sendo contido e racional até mesmo para tratar de temas sociais ou sentimentais. Essa junção de fatores dá margem à elaboração de muitas questões de prova".
10) Álvares de Azevedo

Para Couto, é o mais romântico dos nossos poetas românticos. "Nele, encontram-se exageradas todas as características típicas desse estilo. Curioso é que, em muitos poemas, ele subverte as expectativas e zomba de suas próprias convicções poéticas. Seja em textos típicos ou atípicos, é um autor a ser recordado nesta reta final para o Enem".

Fonte: O Globo

Sorteio: Como eu era antes de você


Olá queridos! Tudo bem?

Hoje o sorteio é super-mega-hiper-ultra especial! O livro "Como eu era antes de você" se tornou um best-seller conhecido internacionalmente e agora nesse mês uma adaptação dele chega aos cinemas.

Então você não vai ficar fora dessa, não é mesmo?


Para participar você tem que ser residente em território nacional e preencher o formulário abaixo(as três primeiras entradas são obrigatórias, as restantes são opcionais e aumentam suas chances de ganhar).

Você pode participar até o dia 09 de julho, o ganhador receberá um e-mail e terá o prazo de no máximo 3 dias para responder (caso não responda, outro ganhador será sorteado).


Boa sorte galera! 

Resenha: Dilúvio - Lauren Kate

Follow my blog with Bloglovin
Olá leitores! Tudo bem?

A resenha de hoje é da continuação do livro Teardrop-Lágrima, da Lauren Kate.
Pode conter spoiler se você ainda não leu o primeiro livro.



Autor: Lauren Kate
Editora: Galera Record
Páginas: 308
Lançamento: 2015
Em Dilúvio, segundo livro de Teardrop, Lauren Kate nos proporciona a continuação da história de Eureka, cujas lágrimas inundaram a terra e agora trazem Atlântida de volta. Com o reino perdido retorna Atlas, seu malévolo monarca, e Eureka é a única que pode detê-lo. Mas para isso, ela precisará viajar pelos oceanos com Cat, Ander e sua família. E apenas com sua força interior ela poderá adquirir o conhecimento de que precisa para derrotar Atlas – antes que ele se aproveite de seu coração partido para alimentar seu reino.

Muitas pessoas não gostaram do livro, a maioria das resenhas e comentários são negativos. Porém eu gostei sim, não tanto como o primeiro!

Na sequência de Lágrima, Eureka, sua amiga Cat, seu namorado Ander, seu pai, e seus irmãos estão em busca de um semeador fugitivo chamado Solon, para tentar reverter os estragos que a lágrima de Eureka causou ao mundo e impedir que Atlas, o rei de Atlântida, desperte. 

As lágrimas de Eureka já inundou o mundo, matando muitas pessoas. Agora é preciso de só mais uma lágrima para Atlântida ressurgir. Eles contam com a ajuda de Solon, um personagem bem intrigante que salvou a história muitas vezes, para descobrir o que fazer dali em diante, e ainda têm que lidar com os outros Semeadores que estão a procura deles. 

Nessa jornada Eureka também descobre muito sobre a sua linhagem, e muitos outros mistérios envolvendo seus amigos e família.

Eu gostei da história, embora o final não tenha sido o que eu esperava. A narrativa foi em primeira pessoa, por Eureka. Eu me irritei profundamente com ela, em algumas partes ela foi egoísta, infantil e bem chatinha.

Mas eu amei tanto o primeiro livro, que não consegui não gostar do segundo, porque traz o mesmo universo que eu tanto gostei. Tomara que o próximo seja bem melhor!

A Blogueira





Acompanhe

Fanpage

Instagram

Leitores

Youtube

Último Vídeo

Siga por E-mail

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner

PróximasResenhas

Todos os Posts